fbpx

Category: Saúde

14 de fevereiro de 2020 by Cobra Reumatologia 0 Comentários

Mudar para evoluir: possibilidades da Telemedicina

Por Jayme Fogagnolo Cobra

Quando o cinema foi criado, muitos disseram que ele ia matar a fotografia. Quando a televisão foi criada disseram que ela ia acabar com o rádio. Quando a internet se popularizou disseram que ela ia acabar com os livros. Pois bem, os livros, o cinema, a fotografia, a televisão e o rádio continuam todos aí, cada um cumprindo o seu papel na nossa formação e na construção da sociedade.

É o nosso cérebro primitivo, que ainda reage às possíveis ameaças, que faz com que enfrentemos as mudanças com todo esse receio. No entanto, ao focar em momentos tão específicos perdemos a visão do todo. São as mudanças que nos levaram a evoluir e nos trouxeram até aqui. E quem sabe até onde mais elas nos levarão.

Esse é o caso da telemedicina. A telemedicina nada mais é do que usar os novos recursos de telecomunicações para fornecer informações médicas de forma remota. Pode ser usada para consultas online, leitura de exames, troca de informação entre os profissionais, acompanhamento a distância de pacientes. No começo do ano passado, o Conselho Federal de Medicina (CFM) lançou uma nova regulamentação sobre o tema, que logo depois foi revogada e que ainda continua em discussão.

Há quem acredite que o uso das novas tecnologias da vai enfraquecer as relações entre médico e paciente. É um risco que só será incorrido caso o médico se acomode em sua zona de conforto. Uma situação que meu avô já descrevia quando percebeu que alguns médicos começavam a valorizar mais os exames de imagem, do que a contato com o paciente. Aqui na clínica, nós fazemos o diagnóstico precoce utilizando, sobretudo, a boa e velha propedêutica – sem prescindir, claro, de todos os recursos técnicos, tecnológicos e de imagens que hoje estão à disposição, mas quando necessário.

Eu penso que a tecnologia vai sim fortalecer a relação entre médicos e pacientes, principalmente com aqueles doentes em tratamento para doenças crônicas, como as que tratamos. Não me refiro ao contato apenas presencial, no dia da consulta, no exame físico, mas sim o contato permanente, o acesso ao médico, o fortalecimento da relação de confiança seja por meio de um simples telefonema ou uma mensagem de texto ou de voz. Isso nós fazemos há décadas, isso é fundamental para o sucesso do tratamento. Se um médico decidir realmente exercitar o olhar, esse profissional pode usar as novas tecnologias de comunicação como uma forma de aproximação e contribuição ao acesso à saúde.

As Health Techs, startups da área de saúde, estão hoje no terceiro lugar no ranking de investimentos. Hoje tive a felicidade de participar do Painel “Telemedicina: o futuro chegou”, ao lado de outros médicos e profissionais da área, sobre a plataforma Conexa Saúde. A Conexa nosso novo parceiro é uma plataforma digital que promove a conexão de pacientes e profissionais de saúde por meio da tecnologia, cuja missão é revolucionar o acesso à saúde, tornando a jornada e experiência do paciente mais fácil, segura e humanizada. A equipe da Cobra Reumatologia faz parte dessa jornada, respondendo por toda a parte da reumatologia. Estamos aliando os 75 anos de tradição da Família Cobra com a inovação da telemedicina em benefício aos maiores interessados nisso tudo que são os nossos pacientes.

Estamos a viver numa Era fantástica, na qual somos os protagonistas de um grande salto evolucionário nas relações humanas e o setor de saúde está fortemente inserido nesta transformação. Acredito que veremos mais mudanças na medicina nos próximos anos do que vimos em todo o século passado. E estou extremamente estimulado a participar dessas transformações, trazendo todo o espírito vanguardista que permeia a história da nossa Clínica nesses últimos 75 anos.

Jayme Fogagnolo Cobra, Médico na Clínica de Reumatologia Prof. Dr. Castor Jordão Cobra.

Publicado originalmente no LinkedIn: Visualizar no LinkedIn

31 de janeiro de 2020 by cobrareumatologia 0 Comentários

Um panorama da saúde no Brasil: Planos de Saúde e o SUS

Por Jayme Fogagnolo Cobra

Com esse artigo, começo uma série de análises sobre os principais stakeholders do mercado de saúde no Brasil. Hoje, meu foco fica com os planos de saúde e o SUS.

O Brasil criou o Sistema Único de Saúde em 1988. Até então a população ou pagava pelos serviços médicos, ou quem era trabalhador contratado pelo regime de CLT tinha acesso ao chamado INAMPS (Instituto Nacional de Assistência Médica da Previdência Social), que funcionava junto com o INPS, ou era atendido por instituições de caridade como as Santas Casa de Misericórdia, onde meu avô começou a praticar a medicina. 

Vale ressaltar que, assim como a previdência, as questões sobre o sistema público de saúde são complicadas em todos os países, inclusive os mais ricos,  haja vista as idas e vindas entre democratas e republicanos sobre o “Obamacare” (a Lei de Proteção e Cuidado ao Paciente) nos EUA.

Voltando ao Brasil, o direito à saúde universal e gratuita foi adquirido com a constituição e rapidamente ganhou dimensões gigantescas. Segundo dados do próprio governo, “em 2018, o SUS realizou quase 4 bilhões de procedimentos ambulatoriais, 11,6 milhões de internações, 1,4 bilhão de consultas e atendimentos e 900 milhões de exames”. Cerca de 160 milhões de brasileiros dependem exclusivamente do SUS. O orçamento da União, em 2018, previa um gasto de R$ 131,5 bilhões. 

Nos últimos 20 anos, o custo para tratamento dos doentes reumáticos, principalmente aqueles que estão em tratamento por doenças imunoinflamatórias, tem sofrido elevações vertiginosas, principalmente pela incorporação de novas tecnologias como por exemplo os fármacos chamados de modificadores de doença imunobiológicos (DMARDib). Hoje, os fármacos imunobiológicos para o tratamento das doenças imunoinflamatórias representam em torno de 25% do custo com todos os fármacos de alta complexidade no SUS. O custo com cada doente em tratamento com esses fármacos pode variar de R$ 15.000,00 a mais de R$ 50.000,00/ano de tratamento.

Do ponto de vista de negócios, são números para empresa nenhuma botar defeito. É justamente essa dimensão gigantesca o principal desafio do nosso sistema público de saúde. A gestão precisa ser extremamente precisa, pois a menor das decisões ainda representa um grande impacto. Quando a gestão não é bem-feita, chegamos a um cenário de gasto alto com serviços de qualidade ruim. É como encher uma piscina com o ralo aberto.

Do outro lado, estão os planos de saúde, regulados pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). De acordo com os números mais recentes, 47 milhões de brasileiros têm acesso a esses serviços, porém com a crise financeira e o aumento do número de desempregados, cerca de 3 milhões de pessoas perderam o acesso aos planos desde 2015. Num cenário que os planos empresariais correspondem a 67% do total.

As empresas reclamam do aumento dos custos com planos de saúde, a previsão para esse ano é de um aumento de 17%, o que faz com que atualmente seja um dos benefícios mais caros oferecidos para os colaboradores. Do outro lado, médicos e hospitais reclamam que são obrigados a se encaixar nas tabelas de preços das operadoras que preveem descontos altos. E quem fica perdido nesse território são os pacientes.

Mais uma vez a administração desse ecossistema é de grande complexidade. Algumas empresas têm adotado o modelo de coparticipação com seus empregados, visando o estímulo ao uso racional do plano de saúde. As companhias de plano de saúde e hospitais, por sua vez, têm renegociado os modelos de remuneração ou têm buscado a verticalização da atividade fim para ter maior controle de custos. No futuro, abordarei esses assuntos com maior profundidade novamente.

No próximo artigo, analisarei o papel dos hospitais e os médicos.

Jayme Fogagnolo Cobra, Médico na Clínica de Reumatologia Prof. Dr. Castor Jordão Cobra.

Publicado originalmente no LinkedIn: Visualizar no LinkedIn